Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Primeira página do autógrafo da «Sinfonia Eroica» de L. v. Beethoven

15/09/2021

Sinfonia Eroica


Na primeira publicação da Terceira Sinfonia de Beethoven lê-se a inscrição «Sinfonia Eroica composta per festeggiare il sovvenire di un grand Uomo» («Uma sinfonia heróica composta para celebrar a memória de um grande homem»). Era intenção inicial do compositor dedicar a obra a Napoleão Bonaparte, mas acabou por não o fazer. Ainda assim, trata-se de um verdadeiro manifesto sinfónico, uma obra à medida da ambição de Beethoven. Em matéria de música, representa um momento de viragem do Classicismo para o Romantismo.

**

A respeito da Sinfonia Eroica é comum questionarmo-nos se ela esconde alguma narrativa. Ainda que tal aconteça, nunca será algo semelhante à Sinfonia Pastoral, de que se conhecem referências literárias explícitas para cada um dos andamentos. A Terceira Sinfonia de Beethoven não corresponde a um encadeamento linear de ilustrações. Expressa, acima de tudo, emoções, estados de espírito. Não se baseia, portanto, na biografia do imperador. Evoca, porém, a conceção idealizada de um grande líder republicano e reformista numa época em que se questionava na Alemanha as monarquias conservadoras. Assim, dispõe-se numa série de estados de espírito contrastantes, sem sacrifício da unidade e da consistência discursiva.

Os dois andamentos iniciais não levantam dificuldades à associação de um herói idealizado. Fechando os olhos, o primeiro permite identificar as ideias de força, nobreza, mistério e esperança. O segundo andamento propicia uma escuta fantasiosa, próxima de enredos cinematográficos imersos na comoção da morte. Traduz uma ambiência trágica em tom de homenagem a um grande homem desaparecido, à sua glória. É uma procissão lenta, profundamente sentida.

Já do terceiro andamento, não se pode dizer o mesmo. Apresenta uma escrita repleta de contrastes, uma ambiência desperta, jovial. Trata-se de um Scherzo, o formato musical que, também em ritmo ternário, veio substituir a cadência dançável do «velho» minueto. Deste modo, confere uma dimensão humana à figura do herói, remetendo para aspetos mais prosaicos da sua existência. O último andamento conduz-nos, passo a passo, por uma sequência de variações instrumentais até uma conclusão triunfante; a apoteose do herói.

A Eroica não conta uma história. Traduz um caráter idealizado. É um imenso retrato musical.

Rui Campos Leitão

Artigos Relacionados

A Abertura Coriolano

Em 1807, de uma assentada, a «Abertura Coriolano» de Beethoven abria caminho a dois formatos que perduraram no panorama musical oitocentista: a abertura de concerto e o poema sinfónico. Saber Mais

Um Concerto Recriado

A música de Laginha é território de encontro entre estilos e tradições. Levanta questões e, também por isso, forma identidades que não se confundem. Não é Jazz. Não é clássico. É Mário Laginha, de corpo e alma. Saber Mais