Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo

Marta Araújo

Cravo Piano

Nasceu em Lisboa. Iniciou os estudos de Piano com Gabriela Canavilhas na Academia dos Amadores de Música e posteriormente com Ana Sousa Lima no Conservatório Nacional de Música, onde terminou o curso de Piano com elevada classificação.

Diplomou-se em Arquitetura, na Faculdade de Arquitetura de Lisboa – Universidade Técnica de Lisboa. Obteve a licenciatura em Cravo – área de Música Antiga, na Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo, na classe da professora Ana Mafalda Castro. Mais recentemente, concluiu a pós-graduação em Programação e Gestão Cultural.

Como bolseira do programa Erasmus, estudou com Siebe Henstra na Utrecht School of Arts, na Holanda. Frequentou diversas masterclasses com Jacques Ogg, nos cursos da Casa de Mateus, e com Ketil Haugsand, nos cursos de música antiga de Lisboa.

No âmbito da pedagogia frequentou os cursos de Jos Wuytack e de Edwin Gordon. Tocou em concertos no âmbito da Música para Bebés. Em 2005 tocou com a orquestra Divino Sospiro no Mosteiro dos Jerónimos. Em 2006, integrada na Orquestra Académica Metropolitana, sob a direção do maestro Jean-Marc Burfin, atuou no Convento de Mafra, na Aula Magna, no Centro Cultural de Belém e na Festa da Música.

Com o grupo Os Músicos do Tejo, que fundou em 2005, conjuntamente com Marcos Magalhães e do qual é codiretora, produtora e cravista, participou em produções de ópera como La Spinalba, Lo Frate Nnamorato (Público, 4 estrelas), Le Carnaval et la Folie (Público, 4 estrelas) e Il Trionfo d’ Amore (Público, 4 estrelas) no CCB, Dido e Eneias na Fundação Calouste Gulbenkian (Expresso, 5 estrelas), que foram muito bem acolhidos pela crítica especializada.

A ópera La Spinalba já circulou em vários teatros, tais como o Teatro Viriato em Viseu, Teatro Municipal de Almada e no Festival Are More em Vigo.

Em 2007 formou com António Carrilho e Marcos Magalhães um trio com dois cravos e flauta, que se estreou, em novembro de 2007, no Fórum Eugénio Almeida, em Évora. Participou no Festival Maio Barroco Óbidos, em 2008, no Mês da Música em Setúbal e no Festival Raízes Ibéricas – Música em Diálogo, com o maestro José Atalaya. Com este agrupamento, gravou, em 2008, para a RDP – Antena 2. Participou em diversos concertos d’Os Músicos do Tejo, tais como As Árias de Luísa Todi, no Festival de Música da Cartuxa, Nos 200 anos das Guerras Peninsulares, no Verão Cultural em Mafra, Música nos Mosteiros – Concertos em Rede Igespar, Festival das Artes em Coimbra, Festival da Cartuxa, Theatro Braga Circo, Teatro Constantino Nery, Forum Luisa Todi, Teatro Municipal de Almada, Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim, Dias da Música em Belém – CCB, entre outros.

Inserida na Orquestra Metropolitana de Lisboa tocou Música para os Reais Fogos de Artifício, de Händel sob a direção de Cesário Costa, na comemoração do vigésimo aniversário da Culturgest. Com o espetáculo Sonho de uma noite de verão, produzido pelo Teatro Praga, atuou como cravista no CCB, Festival Facyl em Salamanca e Guimarães Capital da Cultura.

Participou na edição de dois CD como produtora e cravista, nomeadamente As Árias de Luisa Todi (Público, 4 estrelas ) e La Spinalba, editado pela NAXOS em novembro de 2012 e que obteve excelente crítica nacional (Público, 5 estrelas) e internacional (Revista Diapason, 4 estrelas).

Lecionou no Conservatório Regional de Setúbal, Academia de Música Eborense e Escola Profissional de Música de Évora. Entre 2002 e 2003 colaborou com o Observatório das Atividades Culturais. Desde 2003/2004 exerce atividade docente na classe de Piano e, em 2006, criou a classe de Cravo no Conservatório de Música da Metropolitana.