Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Arnold Böcklin (1827–1901), «Auto-retrato com a Morte tocando violino» (1872) | Fonte-Wikimedia Commons

09/09/2020

Um Scherzo Diabólico


O poema «A vida celestial», sobre o qual Mahler escreveu a canção que preenche a totalidade do último andamento da Sinfonia N.º 4, percorre a visão infantil de uma vida angelical. Mas não se trata de uma apropriação inocente. A composição aborda com desassombro o assunto da morte. O relato de uma criança acerca das imensas maravilhas que a rodeiam – é um quadro que se reveste de uma encantadora inocência. Porém, quando tais palavras são proferidas no céu, sob o olhar atento de São Pedro, a candura dá lugar a diferentes matizes.

**

    O poema «A vida celestial», sobre o qual Mahler escreveu a canção que preenche a totalidade do último andamento da Sinfonia N.º 4, percorre a visão infantil de uma vida angelical. Canta-se e dança-se. É certo que são sacrificados cordeirinhos para se comer a carne, e que se bebe vinho. Mas abundam a fruta e os legumes, e os pratos de peixe são bem cozinhados. Até na música se nota a diferença – «Não existe música na Terra que se compare à nossa».

Eis aqui a substância poética que levou o compositor austríaco a recuperar em 1889 a canção que havia composto anos antes sobre estes cinco versos retirados de uma coletânea de poesia popular publicada no início do século XIX e intitulada «A trompa mágica do rapaz», tomando-a como motivo essencial dos quatro andamentos da sua sinfonia. As crianças de que trata não se encontram entre os vivos. Com placidez, manifesta ironia e algum arrebatamento, esta obra oferece-nos música de outro mundo, mas enfrenta com desassombro a ideia da morte. Naquela época a mortalidade infantil era uma realidade bastante presente. O próprio Mahler perdeu vários irmãos ainda em tenra idade, e a sua primeira filha viria a morrer em 1907, com apenas seis anos de idade. Este assunto era, portanto, entendido de maneira bastante diferente da que conhecemos hoje.

Mahler só conheceu Alma Schindler, sua futura esposa, em novembro de 1901, por altura da estreia da sinfonia. Ela não acompanhou, portanto, o processo criativo. Porém, revelou mais tarde que o 2.º andamento reporta ao tema da morte, chegando a sugerir explicitamente ter sido inspirado numa pintura de Arnold Böcklin.

Artigos Relacionados

Artigo
Anterior

A Quarta de Mahler

A Quarta Sinfonia de Gustav Mahler anuncia o período de maturidade do compositor. Não se pode dissociá-la das sinfonias anteriores, mas distingue-se em múltiplos aspetos. Saber Mais

Diálogo com Mozart

Em «Diálogo com Mozart», Peter Eötvös surpreende-nos como uma releitura sofisticada dos cadernos de apontamentos do músico de Salzburgo. Saber Mais

Tudo por Uma Canção

A canção «Das himmlische Leben» («A vida celestial») preenche o último andamento da 4.ª Sinfonia de Mahler. É ponto de partida e ponto de chegada, a «razão de ser» da obra. Saber Mais

Uma Sinfonia de Cor Azul

A propósito da Sinfonia N.º 4, Mahler escreveu: «Pense no azul indiferenciado do céu, o qual é mais difícil de apreender do que qualquer variação ou contraste entre tons diferentes. Essa é a cor fundamental desta obra.» Saber Mais
Artigo
Seguinte