Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Trompa Natural exposta no Victoria and Albert Museum de Londres | Fonte: Wikimedia Commons

05/10/2020

Um Concerto de «Boas Vindas»


Durante quase três décadas, Joseph Haydn liderou a excelente orquestra privada da família Eszterházy. Os primeiros anos foram marcados por um forte investimento na escrita concertante, pensada para os instrumentistas recém-chegados. Compôs assim vários concertos, alguns dos quais para trompa. O objetivo era dar a oportunidade aos novos músicos para mostrar ao príncipe todas as suas capacidades competências. No caso do Hob. VIId:3, tratar-se-ia de Joseph Leutgeb, o mesmo músico para quem Mozart escreveu os seus quatro concertos para trompa.

**

Na segunda metade do século XVIII, o Concerto, enquanto género musical, representava para os compositores a oportunidade de evidenciar e explorar as características técnicas e expressivas de um instrumento, ou as capacidades de um determinado instrumentista. Tratava-se, portanto, de uma demonstração de competências. Frequentemente, eram os próprios compositores que se apresentavam como solistas, de maneira a evidenciar diante do público e dos patronos a própria condição de virtuoso. Entre os casos mais célebres daquele tempo, contam-se os de Luigi Boccherini (1743-1805; violoncelista) e de Giovanni Battista Viotti (1755-1824; violinista), para lá, naturalmente, dos pianistas Wolfgang Amadeus Mozart e Ludwig van Beethoven. Não era, todavia, o caso de Joseph Haydn. Muito embora se tenha distinguido enquanto músico desde tenra idade, por intermédio da sua belíssima voz, e de também saber tocar cravo e violino, não era um músico intérprete de nível profissional. No seu caso, tinha como instrumento a orquestra, por sinal, um recurso dispendioso de que poucos dispunham. O privilégio era tanto maior quanto a extraordinária qualidade que tinham os músicos que acompanhavam a família Eszterházy entre os palácios de Fertőd e de Viena. Era sua competência cuidar de todos os aspetos que envolvem o desempenho de uma orquestra, desde a seleção dos músicos até à música que era tocada.

Em 1762, o príncipe Nikolaus ascendeu ao trono. Em consequência disso, houve então a oportunidade de contratar alguns dos melhores músicos que trabalhavam em Viena. Foi o caso do trompista Joseph Leutgeb (1732-1811). Muito embora tenha permanecido escassos meses ao serviço da corte, foi tempo suficiente para dar origem a um concerto cuja exigência técnica só estaria ao alcance dos melhores intérpretes, tendo em consideração que naquele época ainda não havia sido introduzido o sistema de válvulas que tanto facilita a obtenção de algumas notas naquele instrumento. Só os trompistas mais capacitados conseguiam dominar a sofisticação técnica que permitia explorar toda a tessitura do instrumento, desde os graves até aos agudos, e fazer soar uma escala cromática numa trompa natural com os simples recursos do controlo da embocadura e do posicionamento da mão dentro da campânula.

Haydn terá escrito cerca de uma dúzia de concertos para instrumentos de sopro. Dois deles são concertos para trompa e aparecem referenciados num catálogo do próprio compositor, muito embora se tenham perdido. Curiosamente, este que agora tem o número de catálogo Hob.VIId:3 não aparece aí indicado. Mas a partitura que nos chegou é um manuscrito autógrafo, pelo que não levanta dúvidas a atribuição da autoria. Há ainda um quarto que aparece listado como Hob.VIId:4, mas que poderá ter sido composto por seu irmão, Michael Haydn, ou por outro compositor.

Artigos Relacionados

Divertimentos de Salzburgo

Wolfgang Amadeus Mozart contava apenas dezasseis anos quando completou os divertimentos que se conhecem hoje pelo nome de Sinfonias de Salzburgo. Saber Mais

Mendelssohn Precoce

Para lá das cinco sinfonias para formação orquestral completa, Mendelssohn deixou-nos várias pequenas sinfonias para as cordas da orquestra. Surpreendentemente, foram compostas quando era adolescente. Saber Mais

À Maneira dos Antigos

Quando se fala da relação de Mendelssohn com a chamada «música antiga», é comum lembrar o seu contributo para o revivalismo da música de J. S. Bach. Mas é bom lembrar a importância que teve, nesse contexto, o seu professor Carl Friedrich Zelter. Saber Mais