Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Pintura de mãos | Fonte: Pixabay

09/09/2020

Tudo por Uma Canção


A canção «Das himmlische Leben» («A vida celestial») preenche o último andamento da 4.ª Sinfonia de Mahler. É ponto de partida e ponto de chegada, a «razão de ser» da obra.

**

Em 1892, Mahler escreveu uma série de canções sobre poemas anónimos alemães que haviam sido reunidos e publicados no início do século XIX, numa coleção com o título «Des Knaben Wunderhorn» («A trompa mágica do rapaz»). Várias dessas canções foram mais tarde publicadas em versão para soprano (ou barítono) e orquestra, mas uma delas teve um destino muito especial. A ideia de integrar «Das himmlische Leben» numa sinfonia surgiu quando o compositor escrevia a Sinfonia N.º 3, terminada em 1896. Mas acabaria por integrar o último andamento da Sinfonia N.º 4, já em 1900. Mais do que um simples andamento, tornou-se referência fundamental da construção de toda a obra.

Ela é ponto de partida e ponto de chegada, a «razão de ser» da sinfonia. Como se de um puzzle se tratasse, vão-nos sendo revelados fragmentos da canção ao longo dos três primeiros andamentos. Desde logo com as guiseiras, que se ouvem no início, as quais ​surgem ​durante a canção nos interlúdios entre os versos. Ao longo da partitura, vão sendo combinados diferentes pedaços da canção. Esta vai-se revelando à medida do tempo, surgindo de cada vez mais explícita, até que no final se ouve por inteiro. Nesta sinfonia, tudo acontece em função de uma canção. São cinco versos em que vozes de crianças nos falam do reino dos céus, sobre a forma como aí vivem, com alegria, evitando quaisquer influências mundanas. Sob o olhar atento de São Pedro, saboreiam os prazeres da comida, os cheiros das plantas, cantam, dançam, saltam, pulam… e ouvem música celeste.

Artigos Relacionados

Artigo
Anterior

A Quarta de Mahler

A Quarta Sinfonia de Gustav Mahler anuncia o período de maturidade do compositor. Não se pode dissociá-la das sinfonias anteriores, mas distingue-se em múltiplos aspetos. Saber Mais

Diálogo com Mozart

Em «Diálogo com Mozart», Peter Eötvös surpreende-nos como uma releitura sofisticada dos cadernos de apontamentos do músico de Salzburgo. Saber Mais

Um Scherzo Diabólico

Alma Mahler revelou que o 2.º andamento da Sinfonia N.º 4 reporta ao tema da morte, chegando a sugerir explicitamente ter sido inspirado numa pintura de Arnold Böcklin. Saber Mais

Uma Sinfonia de Cor Azul

A propósito da Sinfonia N.º 4, Mahler escreveu: «Pense no azul indiferenciado do céu, o qual é mais difícil de apreender do que qualquer variação ou contraste entre tons diferentes. Essa é a cor fundamental desta obra.» Saber Mais
Artigo
Seguinte