Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Aaron Copland | Foto de Victor Kraft ^Fonte: Wikimedia Commons

12/10/2021

Quiet City


Quiet City é uma curta peça musical para trompete, corne inglês e orquestra de cordas. Reúne excertos originalmente compostos para um espetáculo teatral homónimo que subiu à cena em 1939, em Nova Iorque. O enredo desenvolvia-se em torno dos dilemas existenciais de um homem de negócios que havia renegado o idealismo da juventude e a aspiração de ser poeta. A música de Copland «retrata» a mundividência desta personagem e oferece cenário para uma recriação bucólica da cidade.

**

Enquanto projeto teatral, Quiet City não foi bem sucedido, terminando ao fim de poucas representações. Porém, Aaron Copland não permitiu que a música que compôs para o mesmo fosse, também ela, votada ao esquecimento. Prontamente, preparou uma versão de concerto a partir dessa partitura cuja instrumentação original indicava dois clarinetes (dobrados por um clarinete baixo e um saxofone), trompete e piano. Em palco, o som do trompete aparecia indicado nas próprias didascálias, reportando ao subconsciente atormentado do protagonista. A música de Copland traduzia o sentimento de solidão num espaço urbano, como se retratasse a comoção introspetiva que se esconde por detrás do bulício da cidade.

Assim, a obra renascia na versão que conhecemos hoje: para trompete, corne inglês e ensemble de cordas. São pouco menos de dez minutos de música que correspondem a diferentes momentos da peça teatral. Mas os sucessivos segmentos entrelaçam-se sem as interrupções que se esperaria de uma suíte desta natureza. Esta divide-se quase imperceptivelmente em sete episódios que percorrem impressões poéticas da cidade, a quietude da noite, as divagações nostálgicas de uma personagem intimamente perturbada e inquieta. No conjunto, formam uma estrutura simétrica que se reconhece no aproximar do fim, quando se ouve praticamente a mesma música do início.

 

Rui Campos Leitão

Artigos Relacionados

Tzigane

«Tzigane» é uma rapsódia concertante que foi estreada em abril de 1924 em Londres, na versão original para violino e piano. A adaptação para violino e orquestra, realizada pelo próprio compositor, Maurice Ravel, seria apresentada em Paris poucos meses mais tarde. Em ambas as ocasiões, a parte de violino foi interpretada pela violinista húngara Jelly d’Aranyi, sobrinha-neta de Joseph Joachim, o célebre violinista e colaborador de Brahms. Saber Mais

Uma Sinfonia Francesa

Quando se fala de Sinfonia, os primeiros nomes que nos ocorrem pertencem a compositores alemães e austríacos (tais como Beethoven, Brahms, Bruckner ou Mahler), e não franceses. Com efeito, no século XIX, a música orquestral sinfónica não era igualmente apreciada em França. Ainda assim, houve exceções notáveis, tais como a «Sinfonia Fantástica» de Hector Berlioz ou a Sinfonia em Ré Menor de César Franck. Saber Mais