Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Orquestra da Corte de Meininger em 1882, maestro Hans von Bülow | Fonte: Wikimedia Commons

02/12/2019

A Quarta Sinfonia de Brahms

Ler Mais
"A Visitação", Pintura de Pieter Claeissins (cerca de 1500-1576) | Fonte: Wikimedia Commons

02/12/2019

Dois Magnificats

São inevitáveis as comparações, quando se apresentam lado a lado o Magnificat BWV 243 de Johann Sebastian Bach e o Magnificat Wq 215 de Carl Philipp Emanuel Bach, dois músicos cuja afinidade não poderia ser mais próxima – pai e filho, mestre e discípulo.

Ler Mais
Theater an der Wien em 1815 | Pintura de Jakob Alt | Fonte: Wikimedia Commons

01/12/2019

O Rei dos Concertos

«O primeiro» de todos os concertos para violino românticos foi o Op. 61 de Beethoven, datado de 1806. Por isso, costumam chamar-lhe «O rei dos concertos».

Ler Mais
A Bela Adormecida | Pintura de John Collier (1921) | Fonte: Wikimedia Commons

01/12/2019

Tchaikovsky e A Bela Adormecida

A Bela Adormecida é um dos contos de fadas mais conhecidos de sempre. Entre as versões mais célebres contam-se a dos Irmãos Grimm, publicada em 1812, e o clássico da Disney, de 1959. Mas também o bailado de Tchaikovsky

Ler Mais
Uma trompete natural de 1790 | Fonte Wikimedia Commons

27/11/2019

O Concerto Brandeburguês N.º 2

O Concerto Brandeburguês N.º 2 apresenta uma configuração pouco usual. O «concertino» é composto por quatro solistas, como se a ideia fosse dar relevo aos representantes de cada uma das famílias instrumentais da orquestra. Mas o maior protagonista é a trompete.

Ler Mais
Cartaz do filme «Mishima: A Life in Four Chapters» | Fonte: IMDb

27/11/2019

A Música Minimal no Cinema

A música minimal tem uma plasticidade e um potencial dramático que convive na perfeição com a sétima arte, como bem o demonstra o filme «Mishima: A Life in Four Chapters», com música de Philip Glass.

Ler Mais
Philip Glass em 2008 | Fonte: Wikimedia Commons

27/11/2019

O Revivalismo do Cravo

A partir do início do século XX, o cravo teve uma segunda existência, quer por intermédio da recuperação de partituras dos séculos XVII e XVIII quer através da criação de novo repertório. Um dos compositores que se sentiram atraídos pela sonoridade deste instrumento musical foi o norte-americano Philip Glass.

Ler Mais
Retrato de J S. Bach de E. G. Haussmann (1746) | Fonte: Wikimedia Commons

27/11/2019

Os Concertos para Cravo de J. S. Bach

As composições para cravo ocupam um lugar muito especial no legado de Johann Sebastian Bach. É o repertório que abriu caminho ao imenso protagonismo que o piano moderno veio a ter mais tarde.

Ler Mais
Um cravo com dois teclados

27/11/2019

O Concerto para Cravo N.º 3

Ao longo da década de 1730, às sextas-feiras à noite, Johann Sebastian Bach liderava o Collegium Musicum no Café Zimmermann. Terá sido aí que foi tocado pela primeira vez o Concerto para Cravo N.º 3.

Ler Mais
Fotografia da Condessa Élisabeth Greffulhe 1895 | Fonte: Wikimedia Commons

21/11/2019

A «Pavane» de Fauré

A «Pavane» de Gabriel Fauré pode ser entendida com o retrato musical de uma verdadeira musa, a Condessa Élisabeth Greffulhe.

Ler Mais
Gabriel Fauré ca. de 1889 Pintura de John Singer Sargent | Fonte: Wikimedia Commons

21/11/2019

«Pelléas et Mélisande» de Fauré

Em 1898, o compositor francês Gabriel Fauré compôs música para uma produção da peça teatral simbolista «Pelléas et Mélisande», de Maurice Maeterlink. Na respetiva suíte orquestral pode ouvir-se uma das mais belas melodias de sempre, a célebre «Siciliene».

Ler Mais
Philip Glass em 2008

21/11/2019

«A Luz» de Philip Glass

Philip Glass tem cruzado os universos da música e da ciência em diversas ocasiões ao longo da carreira. As mais conhecidas resultaram nas óperas «Einstein on the Beach» (1975) e «Galileo Galilei» (2001), e também na obra orquestral «A Luz» (1987).

Ler Mais