Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Frederico o Grande por volta de 1740, Pintura de David Matthieu | Fonte: Wikimedia Commons

07/10/2019

Os Músicos de Frederico O Grande


Frederico O Grande foi um político brilhante, um estratego militar de exceção que conseguiu transformar a Prússia numa das maiores potências europeias da sua época. Mas foi também um homem culto, que soube manter junto de si grandes músicos ao longo de toda a vida. Entre outros, acham-se nessa lista os nomes de Johann Gottlieb Graun, Franz Benda e Carl Philipp Emanuel Bach, o segundo filho de Johann Sebastian.

**

O príncipe herdeiro do Reino da Prússia superou a adversidade de seu pai opor-se a tudo o que o afastava da mais elementar formação de um valente soldado. Com efeito, as artes não eram prioridade de Frederico Guilherme I, ao ponto de ter dissolvido a Orquestra da Capela da Corte em 1713. Mas Frederico II (mais tarde O Grande) cedo cultivou o gosto pelos requintados costumes que lhe chegavam de França, pela literatura e pela música. Nesta última, em particular, beneficiou de uma aprendizagem de nível avançado, quer como intérprete de flauta transversal quer como compositor.

O início do seu projeto musical remonta a 1732, quando aos vinte anos de idade se emancipou da casa real, estabelecendo a sua corte em Neuruppin, localidade situada a norte de Berlim. Começou então a contratar músicos, sendo o primeiro de todos Johann Gottlieb Graun. Violinista formado em Dresden e em Itália, Graun logo se tornou responsável pela orquestra, aplicando os ensinamentos que recebera dos célebres Johann Georg Pisendel e Giuseppe Tartini, primando a precisão e coordenação das arcadas, a gestão meticulosa das dinâmicas e da própria intensidade expressiva.

Pouco tempo mais tarde, a corte mudou-se para Rheinsberg, relativamente perto. Já então trazia consigo Franz Benda, também ele formado em Dresden. Benda era o típico violinista virtuoso. Ainda jovem, exibiu-se em cidades importantes, como Viena e Varsóvia. Depurou as suas qualidades junto de Graun, vindo a suceder-lhe no lugar de Mestre de Capela bastantes anos mais tarde, já em 1771. Esteve ao serviço de Frederico II durante mais de seis décadas e foi um dos seus favoritos.

Quando da coroação do rei, em 1740, todo o cenário se mudou para Berlim. O irmão de Graun, Carl Heinrich, também músico, partiu para Itália a fim de recrutar os cantores que inauguraram uma casa de ópera dois anos mais tarde. A orquestra até aí formada por dezassete instrumentistas, rapidamente se estendeu até aos quarenta, e outros músicos de prestígio juntaram-se, tais como Johann Joachim Quantz e Carl Philipp Emanuel. Berlim tornou-se assim num centro musical de referência incontornável.

Artigos Relacionados

A Escola de Berlim

Podemos hoje distinguir uma «Escola de Berlim» quando lembramos a importância que esta teve na transição entre os estilos musicais barroco e clássico... com um «estilo sentimental»! Saber Mais

Oferenda Musical

Em maio de 1747, Johann Sebastian Bach visitou seu filho Carl Philipp Emanuel, em Berlim. Era oportunidade para se apresentar ao rei. Passado pouco tempo, chegou por correio ao palácio um caderno intitulado «Oferenda Musical». Saber Mais