Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Viola da braccio em detalhe de pintura de Giovanni Bellini (1505) | Fonte: Wikimedia Commons

22/09/2021

Concerto Brandeburguês N.º 6


Na sua exuberância estilística, o Concerto Brandeburguês N.º 6 de Johann Sebastian Bach pode ser entendido como desenvolvimento sofisticado dos concertos ao estilo de António Vivaldi. Apesar de ser o último concerto do célebre livro de partituras manuscritas oferecido ao Marquês de Brandeburgo em 1721, é bem provável que tenho sido dos primeiros a ser composto.

**

Mesmo antes de soar o primeiro compasso, destaca-se no Concerto Brandeburguês N.º 6 a particularidade de a instrumentação não incluir quaisquer violinos. Em vez disso, o protagonismo é confiado a duas viole da braccio, as quais correspondem às modernas violas d’arco. Inclui ainda duas viole da gamba, as quais eram apreciadas na época já como passadas de moda. Por seu turno, as violas d’arco eram normalmente tocadas por músicos menos virtuosos, razão pela qual é muito invulgar este dispositivo instrumental, que se assemelha a um concerto para duas violas. Presume-se que o próprio compositor tenha tocado uma das partes de viola d’arco, que também aprendera a tocar em criança. Enquanto isso, o príncipe Leopold de Anhalt-Köthen juntava-se ao ensemble para tocar viola da gamba.

No que respeita à música, nos ritornellos do primeiro andamento as duas violas precipitam-se no entrelaçamento de um cânone que vai envolvendo progressivamente os demais instrumentos. Cria-se assim um fluxo musical de efeito vertiginoso. No segundo andamento as violas da gamba silenciam-se. Lembra uma sonata em trio, com as violas e o baixo contínuo. À semelhança do concerto N.º 5, também este último andamento consiste numa giga concertante, extremamente virtuosa.

 

Rui Campos Leitão

Artigos Relacionados

A Quinta Sinfonia de Schubert

No contexto da produção sinfónica de Franz Schubert, e em comparação com a Sinfonia N.º 4 (a «Trágica»), a N.º 5 poderá parecer um passo dado atrás – num entendimento evolucionista da História da Arte é contranatura investir em formatos instituídos pelo passado quando já se vislumbram tendências futuras. Mas a questão não se colocava para o jovem Schubert em 1816, em particular diante do fascínio que sentia pela música de Mozart. Composta aos dezanove anos de idade, a Quinta Sinfonia revela simultaneamente a disciplina e a irreverência de um talento singular. Saber Mais

Duas Melodias

«Duas Melodias», são duas peças escritas para as cordas da orquestra datadas de 1909 mas que, apesar da sua grande beleza, permaneceram esquecidas até há pouco tempo. Saber Mais