Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Edvard Grieg em 1886 | | Fonte: Wikimedia Commons

28/02/2020

Duas Melodias Elegíacas


As duas peças que se juntam no Op. 34 de Edvard Grieg foram as primeiras partituras para orquestra de cordas que o músico viu publicadas. Ambas resultam da orquestração de canções para voz e piano compostas na década de 1870 sobre poemas de Aasmund Olavsson Vinje, um escritor também norueguês que falecera pouco tempo antes. Assim, nestas Duas Melodias Elegíacas vislumbram-se palavras que falam de sofrimento e de morte, mas com uma paz de espírito que só as alegorias da natureza alcançam. A música toma-lhes o lugar, e acrescenta-lhes coisas que sempre ficam por dizer.

**

Quando ouviu pela primeira vez as Duas Melodias Elegíacas, Claude Debussy terá dito algo parecido com o seguinte: «Quão melodiosas são as Duas Melodias Elegíacas para cordas… Em Grieg, tudo se prolonga, como naqueles antigos chupa-chupas que podíamos comprar nas feiras populares. [Cada andamento começa] com uma pequena frase inocente que nos acompanha ao longo de toda a peça. Pelo caminho atravessam-se acordes exuberantes por detrás dos quais esconde a sua nudez.» Esta é uma maneira bastante curiosa de descrever a música de Edvard Grieg. Mas ajusta-se na perfeição à estranha combinação de graciosidade e dramatismo que o distingue de todos os compositores que fizeram carreira nas últimas décadas do século romântico.

Trata-se, neste caso, de duas transcrições de melodias pré-existentes para orquestra de cordas, designadamente, duas das canções que havia composto sobre poemas de Aasmund Olavsson Vinje (1818-70) entre 1873 e 1880. Essas doze canções também foram publicadas em 1881, enquanto Op. 33, pela mesma altura das (exclusivamente instrumentais) Duas Melodias Elegíacas, o Op. 34. Estas últimas são particularmente expressivas. Desenvolvem-se sobre uma emotividade velada, evocativa da superação do sofrimento e da ideia de que a vida é um momento de passagem que nos conduz ao inevitável e derradeiro momento – não é por acaso que a segunda é, ainda hoje, muito frequentemente tocada em cerimónias fúnebres, na Noruega. Apesar de Grieg ter alterado ligeiramente os títulos originais dos poemas («Feridas do Coração» na vez de «Ferida»; «Última Primavera» na vez de «Primavera»), as melodias e o planeamento harmónico parecem seguir bastante de perto a estrutura dos poemas originais. Vale a pena, portanto, a leitura dos mesmos.

 

Tradução livre dos poemas de Aasmund Olavsson Vinje que estão na origem das Duas Melodias Elegíacas de Edvard Grieg.

 

Ferida

Meu coração conheceu as lutas da vida

E sofreu inarráveis golpes;

Abalado, doente e tantas vezes ferido,

Manteve-se, ainda assim,

Vivo no jogo, até hoje.

 

Ano após ano, de rombo em rombo

Sofrido em tantos lugares,

Entrega-se a cada primavera,

Quando as folhas brotam e o gelo derrete

Quando o cuco chama do seu ramo.

 

E as flores continuam a despontar,

Mas cada uma tornou-se lágrima.

O mesmo acontece com a terra:

quando a chuva e o orvalho caem do céu,

as flores nascem das feridas.

 

 

Primavera

Deus permitiu-me voltar a ver a primavera,

O inverno terminou;

E pude vê-la brotar de novo

As árvores em folha! ….

 

Deus permitiu-me voltar a vê-la,

O gelo e a neve

Fundem-se com estrépito e transformam-se em torrentes

No leito dos rios;

 

Contemplei novamente os prados

As flores da primavera,

Ouvi de novo na floresta

Canções de esperança!

 

Deus permitiu-me voltar a ver o sol

Aquecer o prado,

Onde as borboletas esvoaçam graciosamente

Sobre todas as pétalas! ….

 

Mas a primavera que a sem tempo desaparece

Deixa-me triste.

Voltarei a contemplar

Esses dias de encanto?

 

Toda a felicidade neste mundo tem o seu fim,

A minha vida teve os seus encantos.

Aqui de baixo, uma vez que tive o meu quinhão de graças,

Com que razão me lamentaria?

Artigos Relacionados

A Asa do Sonho

Para compor «L’aile du songe», uma obra de 2001 para flauta solo, harpa, celesta, percussões e cordas, Kaija Saariaho inspirou-se num poema com alusões de caráter impressionista sobre a vida dos pássaros no seu habitat natural. Saber Mais

Souvenir de Florence

Datado de 1890, o Op. 70 Piotr Ilitch Tchaikovsky, «Souvenir de Florence» («Recordação de Florença»), deve o seu título à melodia que predomina no segundo andamento. Saber Mais