Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
O compositor Maurice Ravel em 1925 | Fonte: Wikimedia Commons

08/10/2020

Concerto do Novo Mundo


Um dos momentos que mais se destaca na biografia artística de Maurice Ravel é a digressão de quatro meses que realizou na América do Norte em 1928. Não são fruto do acaso, portanto, as harmonias do blues e os ritmos sincopados do jazz que se reconhecem no Concerto para Piano em Sol Maior. Assim foi, o fascínio do compositor francês pelo Novo Mundo.

**

Em 1928, Maurice Ravel apresentou-se várias vezes, enquanto maestro, pianista e compositor em cidades dos Estados Unidos e do Canadá. Deu entrevistas e conferências, garantindo uma notoriedade pública que também se traduziu no acrescentado prestígio de que passou a gozar em toda a Europa. O Concerto para Piano em Sol Maior reporta a esse período. É uma obra que todos os pianistas gostam de tocar, por se tratar de música feita por um compositor que conhecia particularmente bem o instrumento. Nalgumas partes traduz-se num tributo a Mozart e a Saint-Säens. Noutras sobressaem sonoridades que relacionamos com Gershwin, reconhecendo-se harmonias do blues e ritmos sincopados do jazz.

Foi estreado em janeiro de 1932 na Salle Pleyel, em Paris, com a Orquestra Lamoureux. Para lá do Concerto, Ravel dirigiu, ainda, a Pavane pour une infante défunte e o Boléro. Facto curioso, o restante programa foi dirigido por Pedro de Freitas Branco, a convite do próprio Ravel. O jovem maestro português dirigiu, na segunda parte, a Suíte N.º 2 de Daphnis e Chloé, La valse e a Rapsodie espagnole. A parte solista foi confiada a Marguerite Long, a mesma pianista que estreara catorze anos antes Le tombeau de Couperin.

Inicialmente, Ravel pretendia apenas escrever um divertissement para o próprio tocar. Porém, a coincidência temporal da encomenda do Concerto para Piano para Mão Esquerda, destinado ao austríaco Paul Wittgenstein, terá contribuído para desviar o rumo da composição, designadamente em função do formato de Concerto. Acabou por propor a sua estreia a Marguerite Long. Anos mais tarde, a propósito da ocasião em que dedilhou pela primeira vez o manuscrito, Long testemunhou um episódio com o qual todos nos poderemos identificar. Referia-se às lágrimas que lhe vieram aos olhos naquele momento em que, a meio do segundo andamento, o piano se abandona em vagas sugestões de arpejos para dar lugar ao corne-inglês – ajuda saber que Ravel revelou ter-se inspirado no andamento lento do Quinteto com Clarinete de Mozart.

O primeiro e o último andamentos têm um caráter absolutamente contrastante. Traduzem a energia e o entusiasmo que Ravel terá experimentado junto da cena jazzística de Nova Orleães e de Harlem, Manhattan, alternando os contratempos do ragtime e escalas dolentes emprestadas do blues. O último andamento assemelha-se a uma tocata em que o virtuosismo do solista dialoga com uma orquestração exuberante.

Artigos Relacionados

Sinfonia Scheherazade

Os quatro poemas sinfónicos que constituem a Scheherazade de Rimsky-Korsakov inspiram-se livremente n’«As Mil e Uma Noites». Em conjunto, resultam numa verdadeira sinfonia. Saber Mais