Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Ottorino Respighi em 1934 | Fonte: BnF Gallica

18/04/2021

Árias e Danças Antigas para Alaúde


Ottorino Respighi foi um dos poucos compositores italianos que se notabilizou mais nas suas composições instrumentais do que na cena operática. O poema sinfónico Fontane di Roma será a sua obra mais conhecida, mas também se destacam as Árias e Danças Antigas para Alaúde. São suítes orquestrais onde o compositor se deixou inspirar por ritmos e melodias que remontam aos séculos XVI e XVII.

**

É curioso pensar que, há um século atrás, o neoclassicismo era uma proposta artística de propensão modernista, apesar de se apropriar de estilos do passado, em particular da música renascentista e barroca. Entre muitas das criações que vincaram essa reconfiguração da sonoridade da música antiga «à luz» dos novos tempos, destacam-se as três suítes que Ottorino Respighi intitulou Árias e Danças Antigas para Alaúde. Ele próprio musicólogo, atento à compreensão histórica da música anterior ao período dos clássicos de Viena, transformou peças para alaúde da Renascença Italiana em suítes orquestrais exuberantes.

A Suíte N.º 1 foi composta em 1917 e está baseada em quatro peças para alaúde de finais do século XVI. Reflete a mistura de estilos que voltaria mais tarde a repetir nas outras duas suítes, datadas de 1923 e 1931. Tem início com um dança ternária de corte, um Balletto detto Il Conte Orlando que recupera a música do compositor Simone Molinaro (1565-1615), assim transfigurada numa dimensão orquestral. A segunda dança é uma Galharda de Vincenzo Galilei (1520-1591), pai do célebre cientista que defendeu o heliocentrismo. As duas outras peças desta suíte são inspiradas em composições anónimas. A Villanella é uma canção típica da região de Nápoles e contrasta pela expressão nostálgica. Um Passo mezzo e uma  Mascherada garantem um final festivo.

Rui Campos Leitão

Artigos Relacionados

A Abertura de «L’Italiana in Algeri»

Na sinfonia de abertura do o drama jocoso «L’Italiana in Algeri», de Gioachino Rossini, reconhecem-se algumas das melodias que se destacam nos dois atos que lhe seguem. Saber Mais

Petite Suite

A «Petite Suite» de Claude Debussy compõe-se de quatro peças muito curtas, mas de grande beleza. Todas têm um caráter vagamente descritivo, como se evocassem ideias ou situações. Saber Mais

Sinfonias para Instrumentos de Sopro

«Sinfonias para Instrumentos de Sopro» é uma composição de Igor Stravinsky dedicada à memória de Claude Debussy. Saber Mais