Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Estátua de F. Schubert no Parque da Cidade de Viena | Escultura de Carl Kundmann (1872) | Fonte: Wikimedia Commons

23/09/2021

A Quinta Sinfonia de Schubert


No contexto da produção sinfónica de Franz Schubert, e em comparação com a Sinfonia N.º 4 (a «Trágica»), a N.º 5 poderá parecer um passo dado atrás – num entendimento evolucionista da História da Arte é contranatura investir em formatos instituídos pelo passado quando já se vislumbram tendências futuras. Mas a questão não se colocava para o jovem Schubert em 1816, em particular diante do fascínio que sentia pela música de Mozart. Composta aos dezanove anos de idade, a Quinta Sinfonia revela simultaneamente a disciplina e a irreverência de um talento singular.

**

    No dia 13 de junho de 1816, Franz Schubert escreveu assim no diário: «Recordarei este dia para o resto da minha vida como um dia brilhante, cristalino e adorável. Delicadamente, como se estivesse ao longe, a magia da música de Mozart soou nos meus ouvidos. Foi tal o equilíbrio entre força e suavidade, tal o poder magistral com que Schlesinger tocou, que a música me impressionou profundamente, no fundo do coração! Deste modo, essas doces impressões, trespassando as nossas almas, atuam benevolamente no mais íntimo do nosso ser, o que em momento algum, sejam quais forem as circunstâncias, poderá ser contrariado. Na escuridão desta vida, elas mostram-nos uma nítida e terna distância onde recolhemos confiança e esperança. Mozart! Mozart imortal! Quantas e quantas imagens de um mundo melhor e mais radioso gravaste nas nossas almas!»

Este testemunho refere-se, em particular, a um quinteto de cordas do compositor de Salzburgo, mas depreende-se das suas palavras que a admiração de Schubert tinha um alcance bastante mais amplo. O episódio a que se refere separa a Sinfonia N.º 4, completada no mês de abril anterior, da Sinfonia N.º 5, escrita em setembro e outubro. Adivinha-se, portanto, a razão que explica a diferença de registos entre as duas obras. De forma salutar, o jovem Schubert procurava apropriar-se dos modelos consolidados pelos mestres. Assim, se à primeira é possível associar a animosidade de Beethoven, a influência de Mozart torna-se evidente na segunda. Para o comprovar, basta comparar o tema melódico do terceiro andamento da Sinfonia N.º 40 de Mozart com o início do 3.º andamento da N.º 5 de Schubert.

Rui Campos Leitão

Artigos Relacionados

Duas Melodias

«Duas Melodias», são duas peças escritas para as cordas da orquestra datadas de 1909 mas que, apesar da sua grande beleza, permaneceram esquecidas até há pouco tempo. Saber Mais

Concerto Brandeburguês N.º 6

Na sua exuberância estilística, o Concerto Brandeburguês N.º 6 de Johann Sebastian Bach pode ser entendido como desenvolvimento sofisticado dos concertos ao estilo de António Vivaldi. Apesar de ser o último concerto do célebre livro de partituras manuscritas oferecido ao Marquês de Brandeburgo em 1721, é bem provável que tenho sido dos primeiros a ser composto. Saber Mais