Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Cartaz do filme «Mishima: A Life in Four Chapters» | Fonte: IMDb

27/11/2019

A Música Minimal no Cinema


A minimalismo musical e o cinema mantêm desde há muito uma relação de parceria com provas dadas. Entre os filmes mais conhecidos contam-se «Os Livros de Próspero» de Peter Greenaway (1991) e «O Piano» de Jane Campion (1993), com música de Michael Nyman, ou «As Horas» de Stephen Daldry (2002) e Mishima: A Life in Four Chapters de Paul Schrader (1985), ambos com música de Philip Glass. A banda sonora deste último mistura peças orquestrais com outras que se limitam ao quarteto de codas. Algumas delas vieram a destacar-se por si mesmas nas salas de concerto, como uma verdadeira suíte cinematográfica.

**

O alcance das criações de Philip Glass estendem-se muito para lá da dimensão musical. É uma personalidade atenta ao mundo que o rodeia, genuinamente interessada em todas a formas de Conhecimento e na riqueza das diferentes culturas. A sua música proporciona um estado reflexivo, mas também um disposição física que, frequentemente, conduz a um efeito hipnótico que se aproxima do transe, tal como reconhecemos nalgumas tradições musicais ancestrais. Assemelha-se, de certo modo, a um organismo vivo que se transforma ao longo do tempo, a maior parte das vezes com o sentimento positivo de quem assiste ao florescimento de uma nova realidade. Tem uma plasticidade e um potencial dramático que convive na perfeição com a sétima arte, como bem o demonstra o filme Mishima: A Life in Four Chapters.

Na realidade, trata-se de três filmes que se juntam num só. O primeiro é um documentário a cores que faz alusão ao final da vida do escritor. O segundo, a preto e branco, também tem um carácter biográfico, mas foca-se na memória de episódios precedentes. O projeto conclui com um filme em que se sobrepõem excertos retirados de três contos do escritor, entre os quais Runaway Horses (Cavalos em fuga), publicado em 1969. A música do filme reforça a diferença entre essas três dimensões cinematográficas. Divide-se entre partes orquestrais, outras para quarteto de corda e outras, ainda, que remetem para arquétipos das bandas militares, com o recurso das percussões. Não se tratando de uma grande produção dos estúdios de Hollywood (produção de Francis Ford Coppola e George Lucas), não recorre aos estereótipos mais correntes da música para cinema. Seria expectável a alusão a sonoridades que remetessem para o oriente, de maneira a contextualizar o enredo. Mas tal não se verifica. Em vez disso, assistimos às estruturas repetitivas e aos ritmos cumulativos característicos da música minimalista.

Artigos Relacionados

Artigo
Anterior

O Concerto Brandeburguês N.º 2

O Concerto Brandeburguês N.º 2 apresenta uma configuração pouco usual. O «concertino» é composto por quatro solistas, como se a ideia fosse dar relevo aos representantes de cada uma das famílias instrumentais da orquestra. Mas o maior protagonista é a trompete. Saber Mais

O Concerto para Cravo N.º 3

Ao longo da década de 1730, às sextas-feiras à noite, Johann Sebastian Bach liderava o Collegium Musicum no Café Zimmermann. Terá sido aí que foi tocado pela primeira vez o Concerto para Cravo N.º 3. Saber Mais

O Revivalismo do Cravo

A partir do início do século XX, o cravo teve uma segunda existência, quer por intermédio da recuperação de partituras dos séculos XVII e XVIII quer através da criação de novo repertório. Um dos compositores que se sentiram atraídos pela sonoridade deste instrumento musical foi o norte-americano Philip Glass. Saber Mais

Os Concertos Brandeburgueses

Os Concertos Brandeburgueses são uma coleção de seis peças instrumentais que Johann Sebastian Bach dedicou em 1719 ao Marquês de Brandeburgo. Saber Mais

Os Concertos para Cravo de J. S. Bach

As composições para cravo ocupam um lugar muito especial no legado de Johann Sebastian Bach. É o repertório que abriu caminho ao imenso protagonismo que o piano moderno veio a ter mais tarde. Saber Mais
Artigo
Seguinte