Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Mapa e gravura panorâmica da cidade de Berlim em 1737 | Fonte BnF Gallica

07/10/2019

A Escola de Berlim


O envolvimento direto de Frederico O Grande na vida musical da sua corte conferiu a esta uma consistência técnica e estilística que se sobrepôs à individualidade dos músicos que ali trabalharam. Por isso, e independentemente da singularidade que se reconhece em figuras como Johann Gottlieb Graun, Franz Benda e Carl Philipp Emanuel Bach, podemos hoje distinguir uma «Escola de Berlim» quando lembramos a importância que esta teve na transição entre os estilos musicais barroco e clássico… com um «estilo sentimental».

**

O panorama musical berlinense do século XVIII tem sido relativamente negligenciado pelos historiadores, comparativamente com aqueles de Viena e Mannheim, na mesma época. A respeito destas últimas cidades, há já muito tempo que nos livros de História lhes está associada a designação de «Escolas», entendidas estas como movimentos artísticos distintos que se formam em determinados círculos temporais e geográficos. Mais recentemente, este foco vem sendo corrigido. Fala-se agora de uma «Escola de Berlim». Mas o que é que a distingue, afinal?

O paradigma cultural que vingava na corte de Frederico O Grande chegava, sobretudo, de França, em particular no que respeita à literatura e aos costumes. Já no que se refere à música, a influência era tendencialmente italiana. A razão de ser desta disparidade, deveu-se não somente ao gosto pessoal do monarca, que apreciava incondicionalmente a ópera italiana, mas também à circunstância de uma significativa parte dos músicos da sua orquestra provirem de Dresden, numa altura em que a Orquestra da Capela da Corte desta cidade era liderada pelo italiano Johann Georg Pisendel. A música que se fazia em Potsdam não procurava impressionar pelo virtuosismo, mas sim pela comoção sentimental, o que aqui contraria a ideia austera e conservadora que costuma estar associada àquele ambiente. Ser moderno implicava ser simultaneamente sóbrio e comovente. A competência e o bom gosto, eram os critérios que determinavam o juízo estético.

Com este sentido, os compositores – que também eram intérpretes – investiam grande cuidado nos andamentos lentos, pois eram as partes mais apreciadas pelo público a que se dirigiam. Procuravam uma afetação das emoções sem sacrifício do charme e da nobreza. Por seu turno, nos andamentos rápidos, muito embora houvesse frequentemente variações dinâmicas bruscas e alguma impetuosidade rítmica, a qualidade do fraseio sobrepunha-se aos caprichos da retórica, buscando sempre o essencial. Evitavam-se ornamentações supérfluas, maneirismos e aparato virtuosístico. Estas eram algumas das principais características do Empfindsamkeit, o Estilo sentimental que ali fazia moda.

Artigos Relacionados

Oferenda Musical

Em maio de 1747, Johann Sebastian Bach visitou seu filho Carl Philipp Emanuel, em Berlim. Era oportunidade para se apresentar ao rei. Passado pouco tempo, chegou por correio ao palácio um caderno intitulado «Oferenda Musical». Saber Mais

Os Músicos de Frederico O Grande

Frederico «O Grande» foi um político brilhante, um estratego militar de exceção que conseguiu transformar a Prússia numa das maiores potências europeias da sua época. Mas foi também um homem culto, que soube manter junto de si grandes músicos ao longo de toda a vida. Saber Mais