Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de cookies.

concordo
Gioachino Rossini em 1868 | Fonte: BnF Gallica

18/04/2021

A Abertura de «L’Italiana in Algeri»


Com música de Gioachino Rossini, o drama jocoso L’Italiana in Algeri estreou em 1813, em Veneza. Conta a história de Isabella, uma italiana que, tendo a beleza como principal arma, se aventurou na Argélia para tentar libertar seu amado da condição de prisioneiro. Na sinfonia de abertura reconhecem-se algumas das melodias que se destacam nos dois atos que lhe seguem.

**

A ópera L’Italiana in Algeri (A mulher italiana em Argel) foi um dos primeiros grandes êxitos da carreira de Gioachino Rossini. Ao importar recursos da ópera séria para o contexto da comicidade, reforçou os contrastes dramatúrgicos que, em grande medida, garantiram a sua grande popularidade. Datada de 1813, o enredo decorre em Argel, uma cidade que durante muitos séculos conviveu com Corsários e Piratas que competiam pelo domínio da circulação do comércio naquele corredor marítimo estratégico. Pilhar navios era também uma fonte de rendimento para os governantes da região.

A ópera conta a história de uma prisioneira muito bela que, em busca da libertação do seu amado, se acha sequestrada por terríveis berberes. Ainda assim, ela mantém-se tranquila, pois sabe que a sua beleza lhe trará soluções. Em particular, a abertura orquestral é magnificente, plena de energia, drama e bom humor. Após uma introdução calma em que o oboé brilha sobre o pizzicato das cordas, a orquestra introduz um pequeno motivo rítmico que prevalece durante toda a abertura. Como é característico da música de Rossini, assiste-se a uma irradiante criatividade nas sucessivas combinações instrumentais, sempre pontuadas por acordes imensos que são apresentados por toda a orquestra de maneira a acentuar o peso dramático.

Rui Campos Leitão

Artigos Relacionados

Petite Suite

A «Petite Suite» de Claude Debussy compõe-se de quatro peças muito curtas, mas de grande beleza. Todas têm um caráter vagamente descritivo, como se evocassem ideias ou situações. Saber Mais

Sinfonias para Instrumentos de Sopro

«Sinfonias para Instrumentos de Sopro» é uma composição de Igor Stravinsky dedicada à memória de Claude Debussy. Saber Mais

Árias e Danças Antigas para Alaúde

As «Árias e Danças Antigas para Alaúde», de Ottorino Respighi, são suítes orquestrais inspiradas em ritmos e melodias que remontam aos séculos XVI e XVII. Saber Mais