Metropolitana - Temporada Música de Câmara

O Pequeno Príncipe | Histórias da Formiga Rabiga

Programação e Bilheteira

Metropolitana - Temporada Música de Câmara


O Pequeno Príncipe | Histórias da Formiga Rabiga


>Anterior
2019 Sep Oct Nov Dec 2020 Jan Feb Mar Apr May Jun
Seguinte
04

CINETEATRO DA ACADEMIA ALMADENSE - GRANDE AUDITÓRIO

Ticketline

O Pequeno Príncipe | Histórias da Formiga Rabiga

 

No meio do deserto, ao pé de um avião a hélice avariado, aparece um estranho rapazinho, que não responde às perguntas que lhe fazem e conta histórias mirabolantes sobre o planeta minúsculo de onde caiu e sobre estrelas remotas habitadas por criaturas extravagantes.
O Pequeno Príncipe instala-se na fantasia do aviador, que mal tem tempo para reparar a avaria do seu avião, até ao momento em que, tão magicamente como tinha aparecido, o rapazinho desaparece, de regresso à sua origem. Mas permanecerá para sempre na memória do aviador.

 

O Pequeno Príncipe | Histórias da Formiga Rabiga

 

Orquestra Juvenil Metropolitana

 

Sábado, 4 de maio, 16h00, Cineteatro da Academia Almadense (Grande Auditório)

 

O Pequeno Príncipe [estreia absoluta / encomenda da Metropolitana]

 

Música de Sérgio Azevedo

Texto original de Antoine de Saint-Éxupéry

Versão livre de António Mega Ferreira

 

Susana Henriques narração

Élio Leal maestro

 

 

Histórias da Formiga Rabiga

 

Mas quem era a Formiga Rabiga?! Um de nós encontrou-a, certa vez. Era uma formiga muito estranha. Não se parecia com as outras formigas. Para começar, tinha o corpo coberto por uma carapaça que não era preta, como a das suas companheiras, mas castanha, de um tom terroso, que refulgia ao sol em reflexos dourados. Depois, tinha tendência para se distrair das tarefas coletivas, abandonando o formigueiro a que pertencia, e perdendo-se entre as ervas que cresciam dos dois lados do carreiro. Entregava-se aos seus pensamentos e esquecia-se da carga – uma folhinha, um grão de areia, uma semente – e uma vez foram dar com ela a cantarolar. Às vezes, mais parecia uma cigarra ociosa do que uma formiga trabalhadeira. A Formiga Rabiga, essa é que é verdade, gostava mais de ouvir histórias do que de trabalhar. E acompanhava-as com música, que lhe encantava os ouvidos e turvava o entendimento.