Metropolitana - Temporada Música de Câmara

O Carnaval dos Animais | Histórias da Formiga Rabiga

Programação e Bilheteira

Metropolitana - Temporada Música de Câmara


O Carnaval dos Animais | Histórias da Formiga Rabiga


>Anterior
2019 Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec 2020 Jan Feb Mar
Seguinte
02

CINETEATRO DA ACADEMIA ALMADENSE - PEQUENO AUDITÓRIO

Ticketline

O Carnaval dos Animais | Histórias da Formiga Rabiga

Esta «fantasia musical zoológica», O Carnaval dos Animais, foi escrita por Camille Saint-Saëns em 1886, então com o simples propósito de entreter os amigos em período de Carnaval. Explica-se assim o tom divertido com que são ilustradas galinhas, cangurus, fósseis... pianistas?! Na verdade, trata-se de uma sátira ao meio musical da época. As tartarugas dançam lentamente o cancan mais lento de que há memória, numa referência indisfarçada a Offenbach e às suas operetas. Já os elefantes fazem-no ao som de um (muito) adulterado Minueto de Berlioz. E os exemplos prosseguem, com tal disposição trocista que o compositor nunca permitiu a sua execução pública. Postumamente, tornar-se-ia na sua composição mais popular.

Mas antes disso, na primeira parte deste concerto, os Solistas da Metropolitana interpretam música de dois grandes compositores do século passado. As Seis Bagatelas, para quinteto de sopros, datam de 1953, numa altura em que György Ligeti ainda vivia em Budapeste. Ligeti compunha então, essencialmente, obras corais baseadas em música popular. Porém, num âmbito mais reservado, a sua música de câmara já antevia a complexidade e o fôlego criativo que floresceu a partir de 1956, quando se mudou para Colónia, na sequência da reviravolta da Revolução Húngara. Esta suíte baseia-se em seis peças primeiramente escritas para piano solo, nas quais a influência de Béla Bartók ainda é bastante notória. Juntam-se aqui quatro fábulas-miniatura de Luciano Berio. Datadas do início da carreira do músico italiano, mergulham os artifícios da retórica numa partitura neoclássica, por entre ritmos irrequietos e desenhos melódicos cristalinos. Nestas Opus Number Zoo esperam-nos ratos vaidosos e quezilentos, um rato velho, uma jovem corça, raposas e galinhas.

 

Histórias da Formiga Rabiga 

Solistas da Metropolitana

 

Sábado, 2 de março, 16h00, Cineteatro da Academia Almadense (Pequeno Auditório) 

 

O Carnaval dos Animais

 

G. Ligeti Seis Bagatelas

L. Berio Opus Number Zoo

C. Saint-Saëns O Carnaval dos Animais (transc. de D. Bussik)

 

Janete Santos flautaAlice Caplow Sparks oboéIva Barbosa clarineteRicardo Santos fagoteNuno Cunha trompa

Susana Henriques narração

 

 

Histórias da Formiga Rabiga

 

Mas quem era a Formiga Rabiga?! Um de nós encontrou-a, certa vez. Era uma formiga muito estranha. Não se parecia com as outras formigas. Para começar, tinha o corpo coberto por uma carapaça que não era preta, como a das suas companheiras, mas castanha, de um tom terroso, que refulgia ao sol em reflexos dourados. Depois, tinha tendência para se distrair das tarefas coletivas, abandonando o formigueiro a que pertencia, e perdendo-se entre as ervas que cresciam dos dois lados do carreiro. Entregava-se aos seus pensamentos e esquecia-se da carga – uma folhinha, um grão de areia, uma semente – e uma vez foram dar com ela a cantarolar. Às vezes, mais parecia uma cigarra ociosa do que uma formiga trabalhadeira. A Formiga Rabiga, essa é que é verdade, gostava mais de ouvir histórias do que de trabalhar. E acompanhava-as com música, que lhe encantava os ouvidos e turvava o entendimento.