Orquestra Sinfónica Metropolitana

facebook Instagram Youtube

Agrupamentos


Fazem parte integrante da Metropolitana inúmeros agrupamentos de dimensão variável que se apresentam com grande regularidade em público e que interagem entre si, preparando reportórios muito variados.

Orquestra Sinfónica Metropolitana

Orquestra Sinfónica Metropolitana

Direção Artística | Pedro Amaral


Espelho da mais-valia que resulta da transversalidade do projeto da AMEC/Metropolitana, a Orquestra Sinfónica Metropolitana (OSM) é constituída pelos músicos da Orquestra Metropolitana de Lisboa e pelos melhores elementos da Orquestra Académica Metropolitana, que deste modo se reúnem na interpretação do grande reportório sinfónico. Apesar da eminente vocação pedagógica, distingue-se pela excelência artística que lhe permite ombrear com o que de melhor se faz a nível profissional no nosso país. Respondendo à crescente notoriedade junto do público e da crítica especializada, adotou em 2010 o nome que lhe é merecido: Orquestra Sinfónica Metropolitana.

 

Desde então, vem sendo escolhida pelo Centro Cultural de Belém como orquestra residente do Festival Dias da Música em Belém, o que se traduz num grande desafio, mas também numa importante plataforma para divulgação junto no numeroso público que sempre acorre a esta iniciativa. Em março de 2010, a OSM interpretou a 5.ª Sinfonia de Gustav Mahler num concerto dirigido pelo maestro Michael Zilm e, no mês de maio seguinte, a A Sagração da Primavera de Stravinsky, numa produção com coreografia de Olga Roriz e direção musical de Cesário Costa. Em 2011 e 2014, a OSM regressou a Mahler para tocar, respetivamente, a Nona e a Sétima sinfonias do compositor austríaco. Haydn, Mozart, Beethoven e Poulenc, foram os compositores escolhidos para as temporadas seguintes, em concertos – alguns dos quais transmitidos em direto pela RTP – que tiveram as participações do Coro Sinfónico Lisboa Cantat e de solistas como Anna Samuil, António Rosado, Raquel Camarinha, Valérie Bonnard, João Rodrigues, Job Tomé e Anna Fedorova. No final de 2013, sob a direção do maestro Emílio Pomàrico, a OSM juntou-se às celebrações do centenário do nascimento de Benjamin Britten no palco do Grande Auditório do CCB. Em 2015, voltou a abrir o Festival Dias da Música em Belém interpretando, entre outras obras, o poema sinfónico Assim falou Zaratustra de Richard Strauss sob a direção do maestro Pedro Amaral. 

 

Na presente temporada, 2016/2017, a OSM interpretou a Quinta Sinfonia de Bruckner no palco do Grande Auditório do CCB. Entretanto prepara-se para festejar em junho, na mesma sala, o 25.º Aniversário da AMEC/Metropolitana, num concerto em que se lhe irão juntar o maestro Adrian Leaper e ao pianista Artur Pizarro na interpretação dos dois concertos para piano de Liszt.